Quarta-feira, 11 de Março de 2009

Primeira consulta: embrião não desenvolve?

Marcámos consulta para dia 30 de Janeiro.

 

Seguindo o que nos foi dito no hospital à data da consulta estaria de oito a nove semanas. A ansiedade era grande...Apenas queríamos saber se estava tudo bem e que as semanas passassem bem rápido.

 

Dia 30 chegou. A consulta era às 14h30, mas como já me tinham avisado que a médica atrasava sempre as consultas pedi a tarde, assim poderia estar sem pressas e após a consulta celebrariaeste momento tão importante da minha vida e da vida do S.

 

Fui atendida às 15h45 (bem me diziam que atrasava sempre). Entrámos no consultório, contámos a nossa história toda à médica. O ambiente era agradável, o nervosismo tinha passado a Dra. colocou-nos à vontade, brincou e esclareceu algumas dúvidas que tínhamos sempre com bom humor. Veio a altura dos exames... Pediu que me deslocasse para trás de biombo, que me despisse da cintura para baixo. Assim fiz. A palpação interna e externa correu bem, nada a assinalar fora do normal. Em seguida pediu-me que vestisse uma bata. Viu e analisou os meus seios - nada de irregular, tudo bem. Após vestir a bata disse-me que iríamos para outra sala onde iria fazer a ecografia para saber se estava tudo bem.

Desloquei-me para a outra sala- este momento voltou a trazer a ansiedade, uma ansiedade enorme. Deitei-me nas típicas cadeiras dos ginecologistas/obstetras, como me solicitaram. Explicaram que a ecografia iria ser intra-vaginal - tal como a do hospital tinha sido. A ecografia começou e ouve-se um "ai tão pequenino!"´. O meu coração começou a palpitar, o S. olhava para mim e eu para ele sem entendermos. Antes que conseguíssemos perguntar alguma coisa ouve-se um coraçãozinho a bater. Pensei que estava tudo bem e esbocei talvez o maior sorriso que a minha face já exprimiu. Estávamos extasiados com o tuc tuc tuc que se ouvia...mas a felicidade não durou muito! Percebemos que algo se passava quando a médica disse que era muito pequenino novamente, e quando reparamos no seu ar atarefado a fazer medições e a sua cara séria. ganhei coragem e perguntei o que estava a acontecer. A médica disse que a minha gravidez era de seis semanas, o que não correspondia ao que me haviam dito no hospital duas semanas antes e o que poderia indicar que o embrião não se estava a desenvolver. A médica parecia não saber como reagir, notava-se que o nervosismo já não era só nosso. Mas estas palavras feriram-me tão profundamente que deixei de pensar, julgo que a minha mente apagou durante aqueles minutos. Fomos para a outra sala novamente... Vesti-me e percebi que era a hora da conversa séria sobre o que estava acontecer. Apetecia-me fugir, não queria ouvir nada! Mas sentei-me frente à médica agarrada às mãos do S., e a tremer...

"Se o coração bate é porque está tudo bem, não é?" - foi a minha primeira pergunta, a questão que buscava a paz que eu não estava a sentir. - "Não querida! Muitas vezes a embrião pára de se desenvolver por algum problema mas o coração continua a bater durante duas ou três semanas", respondeu a médica. Não consegui evitar, as lágrimas corriam em silêncio...perguntei se era comum que isso acontecesse e a resposta voltou a ser a que eu não queria ouvir - "É comum em gravidezes não viáveis que terminam em aborto". As lágrimas corriam mais ainda, o S. nem falava ouvia...não olhávamos um para outro. As nossas mãos juntas suavam e tremiam, sem dar conta começamos a apertá-las como que a conter o sofrimento que nos consumia...

A Dra. quando viu o nosso sofrimento, as milhares de lágrimas que pareciam sair dos meus olhos, sem controlo, começou a analisar a nossa história novamente. Disse que não queria que eu tivesse esperanças em vão, que não queria que me agarrasse a um sonho que poderia não concretizar-se neste momento e que era por isso que estava a ser honesta. Quando fez lá as contas, viu que a data de 23 de Dezembro, a do suposto sangramento de nidação referido pelo outro médico do hospital, viu que estava mais perto da data de concepção estimada pelo ecografia que tinha feito minutos antes. Disse que era uma hipótese muito remota, mas que poderia ser também um erro do médico do hospital, por as gravidezes logo no inicio serem difíceis de datar. Pediu-me para ter calma, para aguentar duas semanas e voltar lá para fazer outra ecografia para verificar se o embrião estava a desenvolver-se. Avisou que se entretanto tivesse dores ou sangrasse para ir directamente para o hospital. Deu-me o seu número pessoal, caso precisasse de algo. Foi simpática, mas não aliviou minimamente a dor que me dilacerava.

 

Quando saí chorei e chorei e chorei e chorei...Que dor, que sofrimento!

 

O S. não falava e eu também não.

 

Fomos para casa e a caminho de casa ele iniciou o seu processo optimista: engano do médico do hospital.

E eu pedia, implorava que não me fizesse ter esperanças...que era pior. Chorei e sofri como nunca tinha imaginado ser possível.

 

Em casa isolei-me. Precisava de digerir a situação, de raciocinar por mim e analisar a situação. Mentalizei-me, ou tentei mentalizar-me da situação que estava a viver. Mas a dor aguçava-se sempre que me apercebia que ainda teria duas semanas de espera. A dúvida e a espera aumentavam os níveis de dor que sentia e diminuiam a minha tolerância.

 

Depois de enfrentar a realidade fugi para os braços do S.

 

 

publicado por redescobriravida às 09:45
link do post | comentar | favorito
61 comentários:
De Teresa a 18 de Maio de 2009 às 18:35
Boa tarde,

Andava agora na net a pesquisar algumas palavras: "sangramento; aborto espontâneo coração de embrião não bate, etc., e encontrei o seu blog.

Estou a viver uma situação idêntica.

Actualmente estou com cerca de 9/10 semanas de gravidez, mas desde as 5 semanas que estou em casa a repousar por indicação médica.
Motivo: Ameaça de aborto (risco de descolamento da placenta)

Cerca de 15 dias depois fiz eco.
A placenta já está no seu lugar, mas o coração do embrião ainda não bate.

A médica achou estranho, mas não me quis alarmar dizendo para voltar à consulta na próxima semana.

Senti naquele instante que a minha gravidez não iria progredir ... Fiz um esforço enorme para não chorar à frente da médica, mas a tremura da minha voz, não conseguiu disfarçar. Fiz algumas perguntas mas a médica não quis responder, disse-me apenas: " Não se apegue muito, na próxima semana veremos e falaremos melhor"

Iria ser uma semana de espera infernal!

A minha cabeça foi assolada por variadissimos pensamentos. Mas só um, o pior e mais frequente, parecia fazer mais sentido... " vou esperar uma semana para a obstetra me dizer: O coração não bate porque o embrião está morto! "

Não foi preciso esperar uma semana, afinal o pensamento que eu tanto temia, acabou por vencer.

Desde ontem que estou a sangrar.

Telefonei á médica e ela disse-me: " .... é o inicio do fim!!!

É muito doloroso.

Mas como tudo na vida, há-de passar.

Não devemos nunca é deixar-nos levar pela dor. Temos que reagir, temos que lutar, e qdo temos alguém do nosso lado, tudo se torna mais fácil.

Tenho pesquisado muito e afinal chego á conclusão que estas situações são muito frequentes.

Portanto temos sempre a possibilidade de podermos atenuar a nossa dor na partilha de acontecimentos semelhantes com outras pessoas que estejam também elas dispostas a partilhar as suas experiencias.

P'rá proxima tudo vai correr bem.
O pensamento positivo também é importante. Muitas Felicidades :-)

De Anónimo a 6 de Agosto de 2009 às 14:24
tambem a minha dor de perder um filho com 8 semanas e 5 dias, principalmente porque existe problemas de infertilidade, e sei que não engravido com facilidade.
Neste momento estou à espera que o meu organismo expulse o feto naturalmente, pois assim o preferí e não quis fazer a raspagem.
Para todas as maes que perdem os seus bébés, desejo-vos muita coragem. pois a compreensão da vida não está ao nosso alcance, talvés só a Deus pertença.
Não estou revoltada com nada, só estou muito triste. a revolta de nada serve, só para atrapalhar as nossas vidas.
De Luisa a 14 de Agosto de 2009 às 16:08
Tambem passo por essa situacao, ontem fiz minha primeira ultra as 14 semanas. Tudo que eu queria era ver meu pequeno bebe, naquele monitor. Mas o que seria um momento de felicidade se tornou um pesadelo. Quando me disseram que meu embriao havia parado de se desenvolver na 8 semana e que nao tinha batimento cardiaco. Racionalmente posso entender que essas coisas acontecem, infelizmente. Mas emocionalmente e uma tortura. Estava na minha primeira gravidez e queria ter esse filho mais que tudo. Agora tenho que esperar ate terca feira para ter a resposta definitiva se meu bebe esta morto ou vivo(pois pode haver havido um erro) o medico solicitou amostras de sangue para verificar se os hormonios continuam a subir ou se estao diminuindo. Se os numeros estiverem em queda significa que meu sonho acabou e que terei que fazer um aborto,pois meu corpo nao expulsou nada. E continua a responder como se estivesse gravida. Essa e minha primeira experiencia de gravidez e aborto. Estou me esforcando para nao pensar nisso e fazer minhas normalmente, mas e inevitavel nao pensar em tudo isso. Estou na expectativa entre o ceu e o inferno. Vivendo a angustia da incerteza. Tudo isso e muito doloroso, mas temos que reagir apesar de tudo. Forca para todas nos.
De Anónimo a 21 de Setembro de 2009 às 15:35
Li todas as postagens e infelizmente já passei por um pouco de todas as experiências citadas. Estava na minha segunda gravidez e infelizmente teive um sangramento no final da nona semana e quando fiz a ultrassom o embrião estava morto. Pedi minha médica para deixar que meu organismo eliminasse, pois na primeira gravidez tive que fazer curetagem, mas agora não gostaria, pois se não fizer curetagem posso engravidar no proximo mês. Claro que vou preferir fazer exames para tentar descobrir por que minha gravidez não segue a diante. Os médicos dizem que isso acontece com algumas mulheres até que consigam ter seus filhos, mas é muioto triste descobrirmos que nosso sonho acabou. Toda a família fica abalada. Dessa vez eu tinha feito xame com 6 semanas e estava tudo normal, até ouvimos o coração . Foi maravilhoso, até eu começar a sangrar 3 semanas depois. Da primeira vez, no primeiro exame que fiz, a médica pediu que uma semana depois eu repetisse,mas achei que estava tudo normal, pois era minha primeira experiência, aí 1 semana depois , com 7 semanas descobri que o embrião estava morto. Hoje entendo que Deus sabe o momento certo para tudo e que tudo que passamos serve como aprendizado. No momento certo teremos nossa vitória, basta acreditar Nele.
De gabriela luz a 24 de Outubro de 2009 às 17:17
HA hoje dia 25/10/2009 fui fazer meu segundo ultra-som ... meu medico disse que meu embrião não desenvolveu, o coração não estava batendo.
NOSSA
essa dor , essa tristeza, pois eu tenho minhas trompas entupida, então faço fiv pela segunda vez.
e tudo estava perfeito, estava de 7 semanas ...
e uma dor amigas ...
se alguém tiver com vontade de falar , compartilhar , meu e gabi.cristal@ig.com.br.
gabriela luz
De fernanda panzariello a 25 de Janeiro de 2010 às 19:01
Oi!!Sexta passada passei por algo muito triste,fui tão feliz fazer uma ultra,e por alguns minutos minha alegria foi intenrrompida pelo medico.Eles disseram que o feto não estava se desenvolvendo,aquilo ali foi tão terrivel que comecei a chorar e me senti sozinha.Bom,a médica me pediu para aguardar uma semana para ver se sai espontaneo ,e se nada acontecer sexta agora 29/01/2010 foi fazer uma raspagem.Poxa vida eu estava já com 8 semanas e apegada escolhendo nomes ,vendo roupas ,berços e comote te arrancado um pedaço de vc sem anestesia.Bom,Deus sabe o que faz não me revolto e nem meu marido ,ficamos super tristes ,cherei,chorei,mas a vida continua!!Felicidades a todas!
De Rita a 14 de Fevereiro de 2010 às 19:31
A minha primeira gestação foi anembrionária (o embrião não desenvolveu-se). Foi muito dolorido essa perca. Alguns meses depois, engravidei novamente. Em janeiro de 2010 fiz a primeira ultrasson (com 6 semanas de gestação) e ouvi a atividade cardíaca do embrião. Com 11 semanas e meia fiz a 2ª ultrasson e quase não acreditei - O EMBRIÃO ESTAVA SEM ATIVIDADE CARDÍACA E HAVIA PARADO DE SE DESENVOLVER COM 7 SEMANAS. Pensei que o aparelho de ultrasson estava quebrado, não quis acreditar, pois semanas antes já havia escutado sua atividade cardíaca. Não é fácil, mas temos que SUPERAR pois sei que DEUS está no CONTROLE de nossas vidas.
DESEJO FORÇA E ESPERANÇA PARA TODAS AS MULHERES QUE PASSARAM POR SITUAÇÕES COMO ESSA.
De Érica a 25 de Maio de 2010 às 18:22
olá...
Alguém me diz...
Me diz o que eu faço com o rostinho que eu idealizei...
Com as roupinhas que eu imaginei...
Com a notícia que eu espalhei...
e com as expectativas que eu criei...

Tão difícil né gente? Acabei de voltar do hospital, onde passei pelo procedimento mais doloroso que passei até hoje. Não doeu nada fisicamente, mas a sensação de vazio e a dor o coração parece que teimam em não ir embora.

Sem saber o que fazer e o que falar achei esse site... chorei cada palavra que vocês postaram... pois revi tudo o que passei nos últimos dias.

Deus nos abençoe, e que possamos num futuro bem próximo depositar o amor, que por instantes oareceu perdido, em um bebezinho que tenho certeza que iremos ter nos nossos braços em breve.

Bjos a todas.
De daniela a 13 de Março de 2014 às 11:40
Queriada foi com o teu post que mais me identifiquei foi igualzinho! Cheguei ontem do hospital e ainda não sei bem como me sinto. É um sofrimento muito grande. Eu tenho uma filha com 5anos e pensei que tudo ia ser igual mas não tudo foi diferente. Ainda estou em choque...
De Érica a 25 de Março de 2014 às 16:16
Oi Dani,
Desculpe a demora na resposta, é pq quase num acesso esse e-mail.
Querida... força, fé...
A minha dor foi se amenizando um o tempo... Um ano depois engravidei e hoje tenho uma bebê linda! Mas o vazio da perda ainda persiste. Menor, mas ainda tá aqui.
Tive que ouvir "foi melhor assim que nascer com problema". Que horror! As pessoas não sabem o que dizem, viesse do jeito que viesse era MEU (MINHA) filha e eu já o(a) amava.
Respire fundo, viva seu luto, mas continue sua luta para ter mais um bebezinho... e pela sua filha que já está aí e precisa de uma mãe guerreira.
De Regina a 19 de Agosto de 2010 às 20:26
OLA MENINAS! SOU MAIS UMA ENTRE VOCEIS A SENTIR ESSA DOR QUE NOS CORROE POR DENTRO SEM PIEDADE. NESTA ULTIMA SEGUNDA DIA 16/08/10 FUI FAZER O ULTRASOM JÁ COM 10 SEMANAS. MEU MARIDO AINDA NÃO SABE DA GRAVIDEZ, POIS IRIA FAZER O ULTRASOM P/DEPOIS CONTAR A ELE, JÁ TINHA PROGRAMADO UM JANTAR PARA A MARAVILHOSA NOTICIA, AINDA MAIS POR ESTAMOS ESPERANDO TANDO UMA NOVA GRAVIDEZ JÁ QUE TINHA TIDO 2 ABORTOS ESPONTANEOS, O ULTIMO EM AGOSTO/2009. FOI ENTAO QUE FIZ O ULTRASOM NO DIA 16/08/10 E DESCOBRI QUE O CORAÇAOZINHO DO MEU BEBE TINHA PARADO, E AGORA SO ESTOU ESPERANDO QUE MEU ORGANISMO EXPULSE-O DE MIM...SINTO MT DOR EM SABER QUE AINDA ESTA AQUI DENTRO E SEM VIDA.....SNIF SO ESPERO EM DEUS QUE NA PROXIMA CONSEGUIMOS. BJS A TODAS
REGINA
De Teresa a 16 de Setembro de 2011 às 22:44
OI REGINA, TUDO BEM???

DESCULPE MAS GOSTARIA DE SABER SE VOCÊ ACABOU EXPULSANDO O FETO OU NÃO E SE VOCÊ TEVE DOR E SANGRAMENTO, PORQUE MINHA HISTORIA É IGUAL A SUA E O FETO NÃO SE DESENVOLVEU E EU NÃO SANGRO E NÃO TENHO DOR, E O MEDICO MARCOU UMA RASPAGEM PARA DOMINGO. BEIJOS OBRIGADA
De vanda a 15 de Março de 2013 às 15:39
eu tive dois abortos um de gemeas a 12 anos atras elas estavam com 5 meses de gestação e outro com 5 semanas de gestação , meninas oq faço não consigo superar essa dor m e ajudem , obrigada.
De tata a 11 de Junho de 2013 às 23:29
a pior das coisas é saber que esse é o inicio do fim!
e que está aqui dentro, e não tem vida!
que Deus e o amigo consolador console nossos corações...
De Céia Nunes a 23 de Agosto de 2010 às 23:48
Boa noite, também tenho sofrido muito, não consigo ao menos me expressar.. Hoje fui ao medico fazer um exame de utrasom, o tempo certo de gestação seria de 11semanas e um dia, mas o feto não desenvolveu com o tamanho de 9 semanas e ñ havia mais batimentos cardiacos. Ainda ñ contei p/ meu marido, pois já tive um aborto espontaneo a um ano atras.. Estou muito aflita.
De ANGELA a 2 de Setembro de 2010 às 17:03
Que tristeza é essa que invade nossa alma, que parece jamais ter fim estou a espera de um milagre já que ontem f fiz meu segundo ultra-som e descobri que meu bebezinho tão esperado não se desenvolveu, quem nem ao menos pude escutar o seu coração. Como é difícil só mesmo nós para sabermos o que estamos passando neste momento vou ter que esperar até quarta que vêm para realizar um novo ultra-som e assim diagnosticar o que já foi dito e ficar esperando em deus com muita força para que sai de dentro de mim o que eu tanto queria...Me desculpem mas já não posso mais dizer nada neste momento só peço a Jesus que nos dê a força que no momento é tão pouca quase nada...
Desejo de coração à todas que tenham bastante fé e não duvidem jamais no amor de Deus por nós apesar dos pesares Deus sabe o que faz e nós só podemos acreditar nele....
De Pri a 23 de Outubro de 2010 às 22:54
Angela, a minha dor é igual a sua pois não pude escutar o coraçãozinho do eu bebe tb, me sintonão culpada por não ter ido ao médico, sei lá, não entendo pq ele não desenvolveu e sinto q é culpa minha! Foi ontem q tirei ele de mim e agora estou apaixonada por um olhar ou apenas um coraçãozinho q não pude conhecer!
Mas eu espero q DEUS me de forças tb....
De Bruna Almeida a 6 de Agosto de 2013 às 22:53
Sei oq vcs estão passando. Ontem fui fazer uma transvaginal e recebo a noticia de q minha tao esparada gravidez e embrionada. nossa como doi!
Sabe, eh como se mais nada fizesse sentido na minha vida. Agora sei oq as mae sentem quando perdem um filho.
doi muito..
Mas vamos pedir força ao pai, que ele tudo pode e sabe oq eh melhor.
bjus

Comentar post

.pesquisar

 

.Março 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Primeira consulta: embriã...

. Grávida de 6-7 semanas

. Positivo: Grávida!

. A Grande Decisão Das Noss...

. O começo

.arquivos

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

.subscrever feeds